2 de set de 2009

Inovação ou besteirol?

Assisti:

- A Bruxa de Blair - Ainda bem que o título original deixa bem claro que é um "projeto". Assustador? Onde? Parece filme de crianças no quintal de casa. Fraco. Fraco. Fraco. Só gostei do uso das câmeras pra dar essa sensação de que tudo está sendo filmado com câmeras pequenas... Mas eles são péssimos...

- A Bruxa de Blair 2 - Não satisfeita com uma porcaria, assisti duas porcarias. Pensa cá comigo: se fizeram uma continuação é porque alguma coisa era possível de se salvar... Gostei da idéia de dizer que as gravações nas fitas estavam invertidas, mas o papo de manipulação mental não colou. Todos ali já eram soltos de algum pino e dizer que não sabiam o que estavam fazendo é pura redundância. E quem foi o bêbado que filmou as cenas dos créditos?

- Amarelo Manga - O cinema brasileiro tem um péssimo clichê: qualquer filme pra ter aquele clima de "realidade" tem quem ter muito palavrão, sexo e pobreza. Putaqueopariu! Não precisa falar tanto putaqueopariu no filme... Todo mundo com cara de sonso nonsense... Não é à tôa que Matheus Nachtergaele acaba se destacando na trama toda. É o único que parece realmente sentir alguma coisa entre tantos personagens "maria-mole"... Era pra ser intenso mas se banalizou ao ponto de ficar descartável.



Minha lista de pendências e coisas a fazer anda crescendo.
Preciso otimizar meu tempo.
:P

Nenhum comentário: