25 de mar de 2012

Direto do celular, mas com um certo delay...

Não há muito segredo na minha vida. E quando parece que tudo irá melhorar, alguém especial pra gente pede pra guardar segredos de coisas que a gente nunca guardou. Pelo simples fato de eu levar uma vida tão complexa, manter a sinceridade é algo indiscutível entre amigos.
Pense só seu melhor amigo perguntar: "está namorando?" ou mesmo "o quê tem feito ultimamente?" e não ter resposta pra perguntas tão simples.
Isso me fez questionar sobre algumas coisas que andava acreditando e praticando.
Afinal, o que quero pra mim?
Ficar doente, pra mim, é sempre a tradução de que algo está errado. Algo nos meus hábitos, rotina, alimentação, companhias, o que estou usando, me comportando, e por aí vai...
O que me levou a mudar de ideia foi uma soma de diversas atitudes que pessoas com as quais vinha convivendo demonstraram que algo estava errado e eu tinha que fazer escolhas.
As perguntas certas vinham das pessoas erradas e muitas respostas vinham dos lugares mais inesperados.
Percebo agora que muitas vezes passo uma imagem que não condiz com a realidade. Deve ter gente achando que sou um robô. Mas sou humana, sensível e instável. Choro, tenho acessos de raiva, me canso, fico doente, tenho sono.
Talvez minha diferença para com os demais mortais seja, além do perfeccionismo extremo, não se dar por satisfeita com respostas medíocres, não se contentar com meias verdades, não aceitar algo estúpido. Sou contra injustiças e pessoas que desvalorizem aquilo que somos.
Estou em uma fase egoísta, onde a satisfação pessoal faz muita diferença. E ando muito insatisfeita. Talvez essa seja a melhor motivação e hora de MUDAR.
:)

9 de mar de 2012